Afinal, o que é o curso de medicina?

Blog
Reading Time: 5 minutes

A história da medicina não é recente! Teve início há milhares de anos, com origem em rituais e magias que tinham como objetivo curar as doenças. A arte de curar é uma prática antiga, mas em constante evolução. Ao longo do tempo, o misticismo perdeu espaço para a ciência.

A origem da palavra Medicina vem do latim mederi, que significa “saber o melhor caminho” ou “tratar”, “curar”. A palavra é uma derivação do termo latino medicus – médico – que era conhecido como o responsável por tratar da saúde das pessoas. O símbolo da Medicina é o bastão de Esculápio remete a Asclépio, o deus grego da medicina, cujo nome em latim é Esculápio. O símbolo representa a árvore da vida (cajado) e o elo entre o conhecido e o desconhecido (serpente).

O curso de Medicina oferece uma formação geral, humanista, crítica, reflexiva e ética. Tudo isso com foco na responsabilidade social e compromisso com a saúde integral do ser humano.

Durante o ensino médio o aluno se prepara, quase que integralmente, para ingressar no ensino superior. De fato, há cursos mais fáceis de entrar e outros bem mais difíceis, como é o caso de Medicina. O curso é difícil de entrar, mas não impossível. Tudo vai depender da preparação durante o ensino médio com um foco bem direcionado para os processos seletivos de Medicina.

Todo mundo sabe que o curso de medicina é uma dos mais concorridos do país. Por ser uma profissão de grande necessidade na sociedade, a taxa de empregabilidade é alta. A empregabilidade da área, segundo o Ipea, pode chegar a 97%. Os salários de Medicina chegam a ser quase 60% mais altos que a segunda atividade da área da Saúde mais lucrativa, ocupada por Odontologia.

 

Como se forma um médico?

 

A formação de um médico requer uma série de habilidades para exercer a profissão de forma humanizada e crítica, buscando definir o diagnóstico da doença, além de atuar na recuperação do paciente da melhor forma possível. O profissional da medicina tem que se manter atualizado durante toda a vida. Nunca se deixa de estudar porque a Medicina é uma área extremamente dinâmica e acompanha as evoluções tecnológicas.

O curso de Medicina tem projeto pedagógico centrado no aluno como sujeito da aprendizagem e apoiado no professor como facilitador e mediador do processo. O foco é na  formação integral sempre articulando ensino, pesquisa e extensão (principalmente por meio da assistência).

 

Quais são as diretrizes curriculares, etapas obrigatórias durante a formação?

A medicina é um dos poucos cursos que tiveram as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) atualizadas, sendo a última de 2014. A resolução nº 3/2014 traz a jornada que o estudante precisa percorrer para se tornar um médico.

O graduado em Medicina terá formação geral, humanista, crítica, reflexiva e ética, com capacidade para atuar nos diferentes níveis de atenção à saúde, com ações de promoção, prevenção, recuperação e reabilitação da saúde, nos âmbitos individual e coletivo, com responsabilidade social e compromisso com a defesa da cidadania, da dignidade humana, da saúde integral do ser humano e tendo como transversalidade em sua prática, sempre, a determinação social do processo de saúde e doença.

Quanto às áreas de competência da prática médica, a DCN, estabelece três grandes áreas: Área de Competência de Atenção à Saúde;  Área de Competência de Gestão em Saúde; e  Área de Competência de Educação em Saúde. A competência é compreendida como a capacidade de mobilizar conhecimentos, habilidades e atitudes, com utilização dos recursos disponíveis, e exprimindo-se em iniciativas e ações que traduzem desempenhos capazes de solucionar, com pertinência, oportunidade e sucesso, os desafios que se apresentam à prática profissional, em diferentes contextos do trabalho em saúde, traduzindo a excelência da prática médica, prioritariamente nos cenários do Sistema Único de Saúde (SUS).

A formação em Medicina inclui, como etapa integrante da graduação, estágio curricular obrigatório de formação em serviço, em regime de internato, sob supervisão, em serviços próprios, conveniados ou em regime de parcerias estabelecidas por meio de Contrato Organizativo da Ação Pública Ensino-Saúde com as Secretarias Municipais e Estaduais de Saúde.

O curso é integral? Qual o tempo de duração do curso?

 

Mas, para se tornar um médico o amor pela profissão tem que vir em primeiro lugar, porque há uma longa trajetória a ser seguida no processo de formação e a dedicação é quase exclusiva. Os cursos de medicina são praticamente integrais, dificultando trabalhar e estudar ao mesmo tempo, por exemplo. Também não é um curso barato, justamente pela sua complexidade e necessidade de laboratórios, materiais específicos, livros e professores com alta qualificação.

Mas quanto dura o curso de Medicina? A resolução nº 2, de 18 de junho de 2007, da Câmara de Educação Superior de Ministério da Educação estabelece uma carga horária de 7.200 horas para o curso de Medicina com limite mínimo de integralização do curso em seis anos. Essa carga horária é mais do que o dobro de grande parte dos cursos superiores como Direito, Engenharia, entre outros.

Abrir curso de Medicina é um processo demorado e nenhuma IES tem autonomia para criá-lo. O decreto nº 9.235, de 15 de dezembro de 2017, dispõe sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação das instituições de educação superior. Nenhuma instituição de ensino superior tem autonomia para criação de cursos de medicina. Nem mesmo Centros Universitários ou Universidades que possuem autonomia para criação de cursos. Junto com Direito, Psicologia, Odontologia e Enfermagem, a Medicina depende de pedido, avaliação e autorização do Ministério da Educação.

O que diz o artigo 41 do decreto. ”A oferta de cursos de graduação em Direito, Medicina, Odontologia, Psicologia e Enfermagem, inclusive em universidades e centros universitários, depende de autorização do Ministério da Educação, após prévia manifestação do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil e do Conselho Nacional de Saúde”.

O documento ainda cita que o aumento de vagas em cursos de graduação em Direito e Medicina, inclusive em universidades e centros universitários, depende de ato autorizativo do Ministério da Educação.

Você sabia que o Programa Mais Médicos reordenou a oferta de cursos de Medicina no Brasil? A Lei nº 12.871, de 22 de outubro de 2013, instituiu o Programa Mais Médicos com a finalidade de formar recursos humanos na área médica para o Sistema Único de Saúde (SUS). A lei impactou a reordenação da oferta de cursos de Medicina e de vagas para residência médica, priorizando regiões de saúde com menor relação de vagas e médicos por habitante e com estrutura de serviços de saúde em condições de ofertar campo de prática suficiente e de qualidade para os alunos.

Outro dado interessante: desde 2018 não há abertura de novos cursos de Medicina no Brasil. A portaria nº 328, de 5 de abril de 2018, suspende por cinco anos a publicação de editais de chamamento público para autorização de novos cursos de graduação em Medicina e o protocolo de pedidos de aumento de vagas em cursos de graduação em Medicina ofertados por instituições de educação superior vinculadas ao sistema federal de ensino.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Ver Todas
MEM Responde

Como cursar e quanto custa Medicina na Argentina?

SISU 2022

SISU 2023: quantas vagas para medicina?

Notícias

Sisu 2023: mais de 226 mil vagas disponíveis para consulta

Cadastre-se e garanta o melhor guia
para a sua aprovação em medicina