História do aprovado: De ciências biológicas para medicina

Blog
Reading Time: 4 minutes

De ciências biológicas para Medicina, essa é a história de Nathalie da Cunha Caldas, 18 anos, estudante do terceiro período de medicina da Universidade Tiradentes, Campus Aracaju.

“O que poderia me possibilitar a: aprender, ensinar, estudar e discutir?”

Embora ciências biológicas, tenha sido o ponto de partida para Nathalie, (ou Lila, como é carinhosamente chamada pela família) se interessar por medicina durante o ensino médio.

Nathalie contou para nossa equipe de jornalismo que chegou a se interessar por outras cursos quando era mais nova, contudo, a medicina ganhou seu coração durante o ensino médio, e quando ingressou na faculdade de medicina esse sonho foi mais consolidado.

Viver a experiência e saber das possibilidades dessa profissão a deixaram mais certa do que ela quer: além de ser médica, almeja aprender, ensinar, estudar e discutir. 

 

Saúde mental e apoio familiar 

Eu sou uma pessoa que prioriza muito a saúde mental e sei identificar quando algo está me fazendo bem ou não. Contudo, quando fiz o vestibular em 2020, pelo contexto de pandemia, de aulas EAD, de não ver com frequência meus amigos, tudo isso influenciou muito nos meus sentimentos na época, uma mistura de ansiedade e angústia. Entretanto, o apoio dos meus pais e irmãos foi o que me possibilitou ter uma estabilidade emocional nesse momento, era o que me incentivava e me fazia feliz.

Na minha opinião, toda dedicação, disposição e energia que alguém pode ter é consequência da saúde mental. Quando esse bem estar é desestabilizado, afeta toda a rotina e isso vai se tornando um impasse para você acreditar que vai conseguir.

Todo o processo de estudar para vestibular é cansativo, no entanto, ter uma boa relação com a sua mente é o principal aliado.

Em suma, fazer atividade física que gosta, sair com os amigos, ficar com a família ou ter um tempo pra cuidar de você nunca é perda de tempo, é necessário, te dar forças pra continuar.” ressalta Nathalie.

 

Cursinho ou estudar em casa? Enem ou Vestibular direto?

Embora o  vestibular de medicina seja bastante concorrido, e tenha um nível de ingresso difícil, Nathalie fugiu a regra e passou de primeira no vestibular direto na Universidade Tiradentes.

Nathalie já se preparava para esse momento desde o primeiro ano do ensino médio, estudava pela manhã no seu colégio e no período da tarde fazia matérias isoladas em um cursinho preparatório. 

 

Método de estudos 

Para vários estudantes a época da pandemia foi bastante difícil no quesito estudos, ter que lidar com essa nova realidade de ensino, principalmente o ensino à distância.

No entanto, para Nathalie foi diferente, ela conseguiu surfar nessa onda, foi o momento em que ela mais conseguiu se desenvolver bem nos estudos. Ela conseguiu identificar a maneira que ela mais conseguia aprender, de maneira independente.

“O que mais funcionava para mim era sempre responder questões do vestibular da faculdade que eu queria entrar, e baseados nos assuntos que eu estava aprendendo na escola, e a partir delas, revisar o conteúdo.

Sempre que possível também imprimia resumos e fazia minhas anotações pessoais, isso sempre me ajudava a memorizar o que eu avaliasse importante. Além disso, sempre contei com ajuda dos professores, nunca deixei de sanar uma dúvida que eu tinha.” Afirmou Nathalie sobre sua experiência com método de estudos.

 

Experiência na faculdade de medicina 

O curso  de medicina exige muito do tempo do aluno, no entanto, Nathalie nunca teve uma rotina fixa, ela prioriza o que é mais relevante no momento, ou com as mudanças de horário que acontecem durante o curso, já que o curso é integral. 

No entanto, Nathalie ressalta:

“Sempre tento estabelecer quais as minhas maiores dificuldades no momento, e dedicar o maior tempo sem aula que tenho a elas.

Além da faculdade, pra mim é essencial o tempo de atividade física, então faço academia três vezes na semana. É tudo questão de se adaptar às mudanças e ir usando o tempo que tem ao seu favor

Em suma, é muito bom exercer o conhecimento na prática, como nós fazemos na unidade saúde, e ver que os pacientes são gratos e estão ali para escutar o que você tem de conhecimento, seja ele o mais básico que for.

A faculdade de medicina é uma experiência onde vão ter altos e baixos, mas que no final de cada ciclo traz uma sensação de orgulho e missão comprida.”

 

Tá todo mundo querendo saber? E a especialidade, já decidiu?

“Ainda não tenho certeza da especialidade. Ao entrar na faculdade você passa a experimentar vários assuntos diferentes de áreas diferentes. O importante na minha visão é sempre estar de coração aberto para opções, e com o tempo ir se identificando com certa especialidade.”

 

Nathalie tem um recado para você medaholic! 

“O que eu posso dizer é que não desistam de nenhum sonho que vocês tenham, tudo na vida tem sua hora pra acontecer. Se é o seu desejo, se vc se imagina sendo feliz praticando a medicina, lute por isso, não desista.

Muitas vezes pode parecer impossível, mas não há nenhum objetivo que a gente não consiga alcançar com dedicação e com a mente trabalhando feliz.

Passar em um vestibular não depende só de quantas horas você estuda. Depende do conhecimento que você realmente está adquirindo ali, depende de como você está se sentindo, depende da sua capacidade de acreditar que você pode.

Portanto,  acreditem, se esforcem e levem com mais leveza esse processo, que o melhor sempre vem!” Afirma Nathalie, toda animada.

 

Você também pode gostar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Ver Todas
Blog

Faculdade de medicina: Como escolher a melhor para você?

Blog

Vestibular de Medicina: Inscrições abertas no Norte

Blog

Passei em medicina, como organizar o bolso?

Cadastre-se e garanta o melhor guia
para a sua aprovação em medicina