Homens têm maior chance de morrer por covid?

Notícias
Reading Time: 2 minutes

 

Dados gerados em uma pesquisa do Instituto de Estudos Avançados da USP, em conjunto com a Faculdade de Medicina da USP, apontam que o sexo masculino pode ser fator determinante nas mortes por covid-19 na cidade de São Paulo.

Ao contrário do que se esperava, o estudo demonstrou que fatores de risco como a vulnerabilidade social e comorbidades não são dominantes.

Foi realizada uma vigilância epidemiológica do Covid, e o que se obteve a partir da comparação entre pessoas do sexo masculino e do feminino foi a possibilidade de óbitos do sexo masculino ocorrerem por volta de um quarto de vezes a mais.

O sexo masculino foi determinante como um fator de risco para o óbito da doença nesse período inicial”, explica Teixeira, e ainda destaca que isso também houve no risco maior para contrair da doença, independentemente dos índices de vulnerabilidade social.

Maior bactéria do mundo é descoberta e surpreende cientistas

Vulnerabilidade social

A vulnerabilidade social, assim como a predisposição de pacientes com comorbidades, possui papel determinante na configuração do quadro de mortes por covid, mas não chega a ser um fator determinante, como as diferenças encontradas entre os sexos na maneira como a doença afeta os pacientes.

Nas regiões analisadas, os índices de letalidade chegaram a ser “124 vezes maior do que em locais com vulnerabilidade social muito baixa”, complementa Teixeira.

Ainda foi ressaltado que a razão de óbitos entre os sexos feminino e masculino permaneceu constante, demonstrando ocorrer independentemente dos extratos sociais observados.

Nestes casos, residentes do sexo masculino de locais com maior vulnerabilidade social são mais propensos a morrer de covid-19.

Novos passos do estudo

Os pesquisadores têm concentrado a pesquisa nas sequelas da doença, ao buscarem entender como estas se desenvolvem, e qual a sua relação com o sexo biológico.

O principal caso é a da covid longa, que engloba uma série de sintomas, como potencial reprodutivo.

Como ainda é necessário entender as peculiaridades da doença, Teixeira diz que é cedo para um consenso sobre a forma como as sequelas acometem os indivíduos.

Ele também ressalta ser importante averiguar quais são os mecanismos biológicos envolvendo as pessoas do sexo masculino que fazem com que esse quadro atinja menos o sexo feminino.

 

Fonte: Jornal da USP

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja também

Ver Todas
Blog

Vem conferir os próximos vestibulares de medicina

Blog

Entenda tudo sobre a redação e tire nota 1000

Blog

Educação como investimento: Por que é importante investir na educação?

Cadastre-se e garanta o melhor guia
para a sua aprovação em medicina