As melhores dicas para escolher onde fazer faculdade de Medicina

Matérias
Reading Time: 4 minutes

Quando alguém escolhe onde fazer faculdade de Medicina já sabe dos desafios que envolvem essa decisão recompensadora. O amor ao próximo e às boas chances de emprego, fazem com que a Medicina atraia milhares de pessoas todos os anos nos diversos processos seletivos.

Mas escolher a profissão também passa pela formação. Há escolas de Medicina em todo o Brasil. Públicas ou privadas, essas instituições têm que seguir rígidos padrões e normas impostas pelo Ministério da Educação.

Os indicadores de qualidade do MEC para os cursos superiores dão uma direção para quem está buscando uma universidade ou faculdade para a tão sonhada graduação de Medicina. O candidato tem que ter uma preocupação a mais na escolha do curso para garantir o máximo de excelência em sua formação.

Vamos conhecer os indicadores de qualidade apontados pelo MEC e te ajudar nessa escolha das melhores faculdades de medicina, tornando uma decisão tão importante para seu futuro profissional. Já vamos adiantando um ponto importantíssimo: sempre procure saber se a instituição que você pretende estudar Medicina é reconhecida pelo MEC, porque se não for não há garantias de qualidade na formação e, o pior, o diploma não é reconhecido e o profissional impedido de atuar!

Cursos de Medicina autorizados pelo mec

Todos os anos o MEC faz avaliação nas Instituições de Ensino Superior. O modelo de análise adotado é o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) e avalia três componentes principais: a instituição, os cursos e o desempenho dos estudantes.

Os cursos precisam ser reconhecidos pelo MEC. Mas onde obter essa informação? No edital de seleção tem essas informações, observando se a data de seleção foi autorizada e publicada no Diário Oficial da União. Também no site do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) você encontra a lista das instituições credenciadas.

Quais os indicadores de qualidade avaliados?

Com base nos três componentes principais: instituição, curso e desempenho, outros critérios mais específicos são avaliados para atestar a qualidade da graduação em Medicina. Citamos, por exemplo:

  • Projeto pedagógico;
  • Satisfação dos alunos;
  • Instalações físicas;
  • Responsabilidade social;
  • Qualificação do corpo docente;
  • Gestão da instituição, entre outros.

O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) também tem instrumentos de avaliação mais específicos como o ENADE, CPC e IGC. Se assustou com as siglas? Não se preocupe que te explicamos estes importantes instrumentos para atestar a qualidade do curso.

Nazare Tedesco GIF by Gilmore Girls Brasil - Find & Share on GIPHY

ENADE

O Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (ENADE) avalia o rendimento dos concluintes dos cursos de graduação em relação aos conteúdos que são previstos nas diretrizes curriculares dos cursos, o desenvolvimento de competências e habilidades necessárias para a formação profissional, e o nível de atualização dos estudantes com relação à realidade brasileira e mundial.

VEJA TAMBÉM:

Aplicado pelo Inep desde 2004, o Enade integra o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes), composto também pela Avaliação de cursos de graduação e pela Avaliação institucional. Os resultados do Enade, aliados às respostas do questionário do estudante, são bases para o cálculo dos Indicadores de Qualidade da Educação Superior.

Todas as áreas de conhecimento são avaliadas em um ciclo de 3 anos. Em cada ano há uma seleção específica de cursos. O resultado geral de cada curso ajuda a compor a nota do nosso próximo indicador: o CPC.

Conceito Preliminar de Cursos (CPC)

Esse é um conceito que avalia individualmente cada curso. O cálculo é feito anualmente com base no resultado do ENADE, satisfação dos alunos com relação à estrutura oferecida pela instituição de ensino superior, corpo docente, entre outros.

Na página do CPC no Inep os resultados são divulgados todo ano e cada curso recebe uma nota de 1 a 5. Os cursos que recebem notas 1 e 2 são visitados por analistas técnicos do MEC para reavaliação. Os que obtiveram nota 3 são considerados regulares e os que tiram notas 4 e 5 são considerados cursos  de excelência.

Índice Geral de Cursos (IGC)

O objetivo desse índice, bastante usado pelo MEC e as instituições, é fazer uma avaliação mais ampla. Ele considera a média ponderada dos resultados do ENADE e CPC no ciclo de 3 anos.

Os resultados também são divulgados em forma de notas que vão de 1 a 5. Abaixo de 3 o curso é considerado insatisfatório (pode até ser fechado), 3 é considerado regular e mais de 4, satisfatório.

Esse resultado é o mais divulgado por instituições de ensino superior quando fazem propaganda da nota de avaliação do MEC para seus cursos. Os relatórios anuais estão disponíveis no site do INEP.

Outra coisa importante, o IGC avalia a organização didática da instituição de ensino superior, quantos professores são mestres e doutores, quantos professores são de dedicação exclusiva, entre outros.

Mas é preciso ir além….

Já foi possível observar que o MEC tem um papel fundamental no controle de qualidade dos cursos, mas você pode ir além. Aqui te damos algumas dicas finais:

  • Visite o Campus da instituição que você quer estudar e conheça toda estrutura física e planejamento do projeto pedagógico do curso de medicina;
  • Converse com estudantes e ex-estudantes do curso. Essa troca de experiência pode te ajudar a tirar dúvidas;
  • Fique ligado na grade curricular de medicina, oferta de disciplinas, estágios obrigatórios, projetos de extensão, etc.

Deixe um comentário

Quer o MEM na palma da mão?