Primeira morte por varíola dos macacos no Brasil.

Notícias
Reading Time: 2 minutes

O Ministério da Saúde confirmou na manhã de hoje, 29,a primeira morte por varíola dos macacos no Brasil. A vítima era um homem de Uberlândia, cidade de Minas Gerais, que possuía baixa imunidade.

No Brasil já são mais de 900 casos confirmados, e desse total, mais de 700 casos em São Paulo.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou a doença como uma emergência global de saúde dia 23 de julho. Outras enfermidades como Covid-19, Zika vírus, e Ebola,  ganharam o mesmo status nos últimos anos.

Mas o que é a Varíola do Macaco?

A Doença classificada como zoonose, Infecção naturalmente transmissíveis entre os animais e o homem. Foi identificada em 1958 e o primeiro humano foi infectado em 1970 na República Democrática do Congo. A doença só saiu do continente africano em 2003, com um surto nos Estados Unidos.

A Varíola do Macaco é endêmica em algumas regiões da África. Endemia é quando a doença tem constância em determinada região (Semelhante a Febre Amarela no região norte do Brasil)

 

Quais são os sintomas da Varíola do Macaco ?

Segundo a OMS, o tempo que o  vírus invade as células e o aparecimento dos primeiros sintomas, costuma variar de 6 a 13 dias, mas pode chegar até a 21 dias.

A partir do início dos sintomas, a infecção pode ser dividida em dois momentos.

Primeiro, acontece o período de invasão, que dura até 5 dias. Neste momento, o paciente pode apresentar:

  • Fortes dores de cabeça;
  • Febre;
  • Falta de energia intensa.
  • Inchaço nos linfonodos;;
  • Dor nas costas;
  • Dores musculares;

Terminado o período de invasão, começa a segunda etapa, que é marcada por feridas na pele. Geralmente, essas marcas cutâneas surgem depois de 1 a 3 dias do início da febre.

 

Como a varíola dos macacos é transmitida?

Contato direto com fluidos corporais de uma pessoa infectada (sangue e pus, secreções respiratórias, feridas), materiais contaminados.

O vírus ainda pode ser passado de mãe para filho durante a gestação, através da placenta.

Até agora, o patógeno não foi descrito oficialmente como uma infecção sexualmente transmissível, mas a doença pode ser passada durante a relação sexual pela proximidade e o contato pele a pele entre as pessoas envolvidas.

Animais infectados, como macacos, ratos e esquilos, também podem transmitir o vírus

Fonte: BBC NEWS

 

 Prevenção

As vacinas são a principal forma de prevenção.

De acordo com a OMS, uma série de estudos observacionais descobriu que o imunizante que protege contra a varíola tem uma efetividade de 85% contra a varíola dos macacos.

Como o vírus causador da varíola foi completamente erradicado, o programa de vacinação contra essa doença foi paralisado a partir dos anos 1980.

Existe, porém, uma vacina mais recente contra a varíola dos macacos, feita a partir do vírus atenuado modificado em laboratório.

Usada num esquema de duas doses, ela está aprovada em alguns lugares desde 2019. A disponibilidade deste imunizante no momento é bem limitada.

No Brasil, o Ministério da Saúde anunciou que está negociando a compra de vacinas contra a varíola. O Instituto Butantan e a Fundação Oswaldo Cruz também estão estudando a possibilidade de fabricar doses no próprio país.

Como nós presenciamos uma pandemia podemos dizer que já sabemos o passo a passo para prevenir contaminações,  mas é sempre bom relembrar:

  • Uso de máscaras;
  • Distanciamento;
  • Higienização das mãos.

Será que vivemos uma nova era geológica?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja também

Ver Todas
Blog

Apps que ajudam a aumentar sua produtividade

Sala de Espera

A IMPORTÂNCIA DA INFRAESTRUTURA PARA A MEDICINA – SALA DE ESPERA #18

Blog

Como se preparar para o vestibular de medicina 2023

Cadastre-se e garanta o melhor guia
para a sua aprovação em medicina