Qual o seu maior concorrente nas provas?

Blog
Reading Time: 3 minutes

Qual o seu maior concorrente nas provas? Quando falamos em medicina, uma das primeiras coisas que associamos é a dificuldade de entrar no curso, pela concorrência, são muitos candidatos para o número de vagas disponíveis. Segundo dados do  último Censo da Educação Superior, em 2020, foram ofertadas cerca de 51 mil vagas em cursos de medicina, e mais de 1 milhão de candidatos. Logo, essa conta não fecha. Porém, será mesmo a concorrência seu único obstáculo nas provas? Ou você também pode ser o seu maior concorrente, e o seu maior desafio? Como assim, você pode perguntar.

 

Você é o seu maior concorrente

Qual o seu maior concorrente nas provas? Pode ser você, viu?

Quando você fica só criando universos paralelos em sua cabeça, se comparando com seu o seu colega de classe, achando que não é capaz, pensando na concorrência, entre outras coisas, você está gastando energia à toa, energia esse que você pode e deve canalizar para focar em você, nos seus estudos, na sua autoconfiança, no seu poder, na sua performance, na sua saúde mental. Perceba quantas coisas você pode focar positivamente, deixando de lado “ a concorrência”, os fatores externos, que você mesmo dá poder.

 

E qual a realidade você está criando para você?

O mundo em que você passa no curso dos seus sonhos ou o que você não tem a menor chance de alcançar sua vaga?

E aí você pode me perguntar: mas sou eu quem decido isso? E a resposta é sim! Vamos te explicar.

Segundo a professora, e especialista em TRI, Camila Ferreira, no Ciclo da Realidade, criamos o mundo que a gente vê. E funciona assim: sentimento gera pensamento, que gera ação, que gera resultado.

 

Como não se limitar 

De acordo com Camila, se o seu sentimento sobre a sua aprovação for negativo, ou seja, que por algum motivo você não tem capacidade de chegar lá, esse será o pensamento que ficará no seu subconsciente. Com isso, as suas ações tendem a ser limitadas, porque você sabe que não vai conseguir mesmo, né?! Então, pra que gastar energia com algo que não vai acontecer…

Trazendo pro nosso universo de pré-vestibulandos, se você sente que não conseguirá passar, você estará menos disponível para estudar. Então, você não se dedica tudo que poderia… Deixa de fazer um simulado no final de semana, fica umas horinhas a mais no celular no momento em que deveria estar estudando, desiste fácil de aprender conteúdos que farão total diferença no seu resultado… E assim vai.

Quando chegar o Enem, ou a prova de vestibular que você quer fazer,  provavelmente seu resultado não será o da aprovação, mas sim aquele condizente com o seu sentimento. E quando você ver o resultado ruim ainda vai falar: “tá vendo, eu sabia que não tinha capacidade de passar.” Você criou o mundo que você via.

 

Fuja das crenças limitantes

Para mudar completamente essa situação é preciso mudar o sentimento! A origem de tudo.

Se investigue e tente encontrar o que está guardado lá no fundo. Esse sentimento negativo tem um nome: crenças limitantes. Como você vê o mundo?

Para te ajudar a pensar um pouquinho:

No seu mundo, pessoas de escola pública conseguem passar em medicina? Quem estuda menos de 10 horas por dia tem chance? Quem trabalha pode sonhar com uma vaga na universidade? A faculdade também é lugar de pessoas mais velhas? É possível conciliar maternidade/paternidade e estudos? É possível ser aprovado estudando apenas 6 meses para o Enem? E por aí vai…

Se você quer mudar o resultado, mude a forma como você vê o mundo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja também

Ver Todas
Notícias

Neuralink e a medicina

Blog

Desistir não é uma opção

Notícias

Vestibular da Fuvest 2023 sofre mudanças pela USP

Quero saber tudo do mundo Med!