Esponja-do-mar têm efeito contra bactérias resistentes

Notícias
Reading Time: 3 minutes

Um grupo liderado por pesquisadores da USP, em São Carlos, identificou uma série de compostos bioativos em uma Esponja do mar coletada no arquipélago de Fernando de Noronha, em Pernambuco. Algumas substâncias se mostraram capazes de matar bactérias resistentes aos antibióticos atualmente disponíveis,ou seja, o que abre caminho para o desenvolvimento de novos fármacos. 

Utilizamos, técnicas modernas para avaliar as substâncias do seu metabolismo secundário, buscar novas moléculas e testar sua atividade biológica. Conseguimos descrever uma série de novos compostos. O maior potencial encontrado foi contra bactérias resistentes aos antibióticos atuais”, conta Vítor Freire, que realizou o estudo como parte do seu doutorado no Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da USP.

 

Esponja do mar e resistência a antibióticos

Segundo relatório encomendado pelo governo britânico, publicado em 2016, as mortes causadas por infecções de bactérias resistentes devem atingir 10 milhões de pessoas por ano em 2050. Daí a importância de se descobrir novos antibióticos eficazes.

A esponja marinha da espécie Agelas dispar ocorre no Caribe e em parte do litoral brasileiro. Por serem alguns dos organismos há mais tempo na Terra e viverem fixas no substrato marinho, ao longo de milhões de anos as esponjas-do-mar desenvolveram um complexo metabolismo, poir exemplo, produzindo substâncias essenciais para a competição com outros invertebrados e para evitar infecções por bactérias patogênicas. No estudo publicado agora, as substâncias com maior potencial terapêutico foram três diferentes tipos de ageliferinas, nome advindo do gênero da esponja-do-mar Agelas.

 

“Outro fator importante é a capacidade da esponja do mar de armazenar substâncias de microrganismos simbiontes, que também as ajudam a se defender. Por isso, quando analisamos os compostos encontrados nesses animais, nem sempre é possível saber o que eles produzem e quais são os produtos de sua microbiota”, explica Roberto Berlinck, professor e coordenador de pesquisa do IQSC. O trabalho integra dois projetos coordenados por Berlinck e financiados pela Fapesp. Um deles integra o Programa Biota-Fapesp.

 

Levitação acústica: Objetos que flutuam sem se tocar

 

Tumores e bactérias

Outros grupos já haviam testado as ageliferinas em tumores de pulmão, cólon e mama. Nos trabalhos anteriores, também não foi observada ação antitumoral. Três substâncias, porém, foram eficazes na eliminação de bactérias resistentes a antibióticos. Essa parte do estudo foi feita no Instituto Adolpho Lutz (IAL), sob coordenação do pesquisador André Gustavo Tempone, também apoiado pela Fapesp.

Seis espécies foram submetidas a esses compostos, sendo duas delas Escherichia coli e Enterococcus faecalis, algumas das mais comuns e encontradas em diferentes ambientes, inclusive no corpo humano. As outras quatro bactérias são listadas pela OMS como prioritárias para o desenvolvimento de novos antibióticos: Staphylococcus aureus, Klebsiella pneumoniae, Acinetobacter baumannii e Pseudomonas aeruginosa. Essas são algumas das responsáveis pela maior parte das infecções hospitalares, por serem capazes de escapar da ação dos antibióticos disponíveis no mercado.

 

Tecnologia em Saúde – Discussões sobre a Terapia Molecular

 

Primeiramente, os pesquisadores queriam saber, porém, se o uso das ageliferinas poderia levar à hemólise dos glóbulos vermelhos do intestino, um efeito adverso comum em pacientes submetidos a tratamento quimioterápico que precisam de antibióticos e que pode levar à morte. Em células de camundongos, por exemplo, os compostos não causaram danos. Tal resultado indica um bom potencial para o desenvolvimento de novos fármacos.

O objetivo do grupo, agora, é analisar outras esponjas marinhas com a mesma metodologia utilizada para descobrir os novos compostos. “Investigar como essas substâncias são produzidas é extremamente importante, uma vez que elas são distribuídas por algumas classes de esponjas e podem futuramente ajudar a tratar doenças”, encerra Freire, que atualmente faz pós-doutorado no National Cancer Institute, nos Estados Unidos. O trabalho teve ainda apoio da Fapesp por meio de bolsas de pós-doutorado para Juliana Gubiani no IQSC e para Erica de Castro Levatti no IAL.

Fonte: Jornal da USP

 

Esponja do Mar

Com a finalidade de encerrar esse texto, confira algumas informações sobre esses seres:

Não possuem tecidos diferenciados e suas cores, tamanhos e formas são variáveis, de acordo com a espécie e ambiente que ocupam. Podem viver isolados ou em colônia.

-Mundo Educação-

 

Alguns moluscos e peixes, ouriços, estrelas-do-mar e tartarugas se alimentam de esponjas. Assim, algumas espécies de esponjas possuem mecanismos de defesa – como por exemplo, compostos químicos tóxicos que alguns indivíduos do gênero Tedania e Neofibularia apresentam, podem causar dermatites na espécie humana.”

Além disso, um estudo sugere que as esponjas existem há pelo menos 640 milhões de anos. Ou seja, 400 milhões de anos antes dos dinossauros e portanto, 100 milhões de anos antes de qualquer outro animal! Nesse tempo, elas viram de tudo, incluindo extinções em massa. E cientistas acreditam que elas ainda poderiam sobreviver às mudanças climáticas. São realmente seres pós-apocalipse.

-Greenpeace-

Quer dar um up nos seus estudos para o vestibular? 

POR DENTRO DA BIOLOGIA E DOS IMPACTOS AMBIENTAIS – SALA DE ESPERA #11

 

Confira nossas outras mídias!

Facebook ,Telegram ,Youtube,Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Ver Todas
Blog

Faculdade de medicina: Como escolher a melhor para você?

Blog

Vestibular de Medicina: Inscrições abertas no Norte

Blog

Passei em medicina, como organizar o bolso?

Cadastre-se e garanta o melhor guia
para a sua aprovação em medicina