Evasão escolar: Entenda esse conteúdo para o Enem

Blog
Reading Time: 3 minutes

Hoje em dia, mais que nunca é nítida a importância e o papel social, das instituições de ensino de qualquer grau, já que são essas “escolas” que dão inicio aos vínculos sociais, desenvolvimentos de habilidades físicas, e cognitivas do aluno. Porém, quando olhamos este assunto mais profundamente, podemos identificar que a realidade brasileira perante a educação é totalmente diferente do que esperamos que seja. Existem dificuldades e problemas diários dentro da sociedade e da própria educação que acabam, de fato, aumentando a chance das crianças e adolescentes não darem continuidade aos estudos, o que chamamos de ‘Evasão Escolar’.

Se pararmos para procurar as motivações por trás das situações de infrequência, abandono e evasão escolar, poderíamos passar horas em um grande debate. Dentro dessas questões, estão: a gravidez na adolescência, falta de conexão dos conteúdos com os interesses dos estudantes, necessidade imediata de geração de renda, entre outros.

De acordo com dados do IBGE e do MEC, os jovens que possuem uma baixa renda, em sua maioria negros, são forçados de maneira precoce a entrar no mercado de trabalho, ou engravidam na adolescência, esse é o grupo com maior propensão a evasão escolar. Além disso, é na adolescência que o problema se apresenta com maior intensidade, em 2019, 7% da população entre 15 e 17 anos já estava fora da escola.

Evasão X Abandono

Para compreender o problema de forma geral, é preciso ir além das motivações e entender as diferenças de conceitos de abandono e evasão escolar, que mesmo usados como sinônimos, acabam na maioria das vezes especificando casos diferentes.

Ao deixar de frequentar as aulas durante o ano letivo, isso se caracteriza como abandono escolar. Já o caso em que o aluno, seja reprovado ou aprovado, não efetua a matrícula para continuar os próximos anos, entende-se como evasão escolar.

 

Quem são esses jovens e por quê evadem?

Depois de entender a diferenciação entre os conceitos, o próximo passo para compreender o assunto é saber mais sobre seu agente, os jovens. Os indicadores da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, o PNAD, feita pelo IBGE, informam que o contexto familiar é um decisório ativo na personalidade do jovem  que abandona a escola.

Se compararmos o contexto familiar de uma família comandada por um homem branco, com escolaridade média completa e renda alta, a taxa de média de frequência, é de 79%.  Analisando este outro cenário: uma família chefiada por mulher, negra, e analfabeta, podemos perceber que a taxa de frequência em aulas é de no máximo 65%.

Dessa forma, pode-se entender que o avanço escolar está ligado às questões raciais e socioeconômicas. Enquanto pessoas brancas e de renda mais elevada alcançam níveis mais altos de escolaridade, pessoas negras e de renda mais baixa tendem a ter um menor índice de avanço escolar, consequente oportunidade de entrar em uma universidade, e conseguir uma vaga de emprego.

 

Exemplos de estratégias para evitar evasão e abandono.

A decisão da evasão escolar, não acontece de uma hora para outra. Evadir é um processo lento de desinteresse em relação à escola. Faltas, repetências, deixar de realizar tarefas, são demonstrações de desengajamento que podem identificar os alunos que precisam de um cuidado especial neste sentido e demonstrar uma necessidade de atuação direta com eles.

Desenvolver e implementar ações de busca ativa, incentivar e possibilitar maior participação juvenil –  consequente melhoria do clima escolar –, aproximar e envolver a comunidade escolar, promover maior diálogo com as famílias, além de desenvolver ações focadas na questão racial, são alguns dos exemplos das ações de combate ao abandono e à evasão.

Esses exemplos foram comprovados e aprovados pelo Diretor da Unidade Escolar Benjamin Batista, de Teresina – PI, Evandro Souza, que afirmou a redução de 19% para 1% de evasão escolar em 9 anos de aplicação.

Com certeza agora você está mais que pronto para escrever uma redação completa sobre o assunto, mas que tal dar uma olhadinha em mais coisas no nosso portal?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja também

Ver Todas
Notícias

Neuralink e a medicina

Blog

Desistir não é uma opção

Notícias

Vestibular da Fuvest 2023 sofre mudanças pela USP

Quero saber tudo do mundo Med!