Pesquisa Científica: O amor é capaz de curar a osteoporose

Notícias
Reading Time: 2 minutes

Estudo da Universidade Estadual Paulista UNESP observou que a Ocitocina pode contribuir para a prevenção do surgimento da osteoporose.

 

A osteoporose é uma doença bastante comum e atinge cerca de 2 milhões de pessoas no Brasil. A doença torna os ossos frágeis e quebradiços, principalmente pela falta de cálcio. E se eu disser que se as pessoas se amarem mais não vão ter essa doença? Parece papo motivacional de coach quântico, né? Mas eu vou te dizer como o amor cura a osteoporose.

Um estudo da Universidade Estadual Paulista (UNESP) observou que a Ocitocina pode contribuir para a prevenção do surgimento da osteoporose. A ocitocina é conhecida como o “hormônio do amor” pois é percebido durante relações amorosas e principalmente no parto.

“Nosso estudo tem como enfoque a prevenção da osteoporose primária; por isso investigamos mecanismos fisiológicos que ocorrem no período pré-menopausa. Nessa etapa da vida da mulher, medidas de prevenção podem evitar que os ossos se tornem frágeis e que ocorram fraturas, o que poderia reduzir a qualidade e a expectativa de vida”, diz Rita Menegati Dornelles, coordenadora do Laboratório de Fisiologia Endócrina e Envelhecimento do Departamento de Ciências Básicas da Unesp em Araçatuba.

 

Classificação Internacional de Doenças. Conheça a CID

 

Como foi feita a pesquisa sobre osteoporose?

A pesquisa da Universidade Estadual Paulista – UNESP – utilizou ratas no final do período fertil para constatar as observações

Foram selecionadas 10 ratas (uma linhagem albina da espécie Rattus norvegicus). Os pesquisadores aplicaram duas doses de ocitocina com um intervalo de 12 horas entre as injeções. Foram coletadas amostras de sangue e amostras ósseas dos animais após 35 dias . Os dados foram comparados com dados de ratos que não receberam doses de ocitocina. As comparações apontaram que as ratas que receberam doses de ocitocina não apresentaram sinais de osteopenia.

A osteopenia é uma condição pré-clínica que sugere a perda gradual de massa óssea, comprometendo a resistência dos ossos e aumentando o risco de fraturas.

-Drauzio-

 

O  foco da pesquisa foram as mulheres na perimenopausa, périodo que antecede a menopausa mas que já apresenta sintomas. Nessa fase os ossos já apresentam certo desgaste, mas a ocitocina é um elemento importante para inibir a fase inicial da osteoporose.

 

Maior bactéria do mundo é descoberta e surpreende cientistas

 

O que é essa tal ocitocina?

Em resumo, a ocitocina é um hormônio produzido no hipotálamo, uma região encéfala responsável por regular a temperatura do corpo, fome e sede e comportamento sexual. O hipotálamo faz ligação entre o sistema nervoso e o sistema endócrino, um conjunto de glândulas que liberam hormônios pelo sangue.

A ocitocina está presente tanto em mulheres quanto em homens, embora nas mulheres esteja mais acentuado nas mulheres por conta do parto e amamentação. Existem maneiras naturais de estimular a ocitocina, entre elas estão: contato físico; alimentação equilibrada e exercício físico. 

Podemos falar então que quanto mais felizes a gente estiver, mais saudáveis nós estaremos (e isso é ótimo). As pesquisas científicas sempre abrem portas para a inovação, principalmente no âmbito da medicina.

 

Conteúdos com certeza você vai se interessar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Ver Todas
MEM Responde

Como cursar e quanto custa Medicina na Argentina?

SISU 2022

SISU 2023: quantas vagas para medicina?

Notícias

Sisu 2023: mais de 226 mil vagas disponíveis para consulta

Cadastre-se e garanta o melhor guia
para a sua aprovação em medicina